Rodado entre os anos de 2007 a 2010, Nos Tempos da São Bento é um documentário que busca a memória coletiva do hip-hop. Um dos intuitos é resgatar a memória daqueles que fizeram a História do Hip-Hop, ocupando por vários anos o espaço do Metrô São Bento, no centro da cidade de São Paulo. Minuciosa, a estrutura discursiva nos leva ao conflito com o esquecimento; o ato social de se apagar fatos, pessoas e grupos da história. É justamente este conflito, apresentado através do exercício da narrativa, que se transforma em ação dramática, onde a personagem principal é a memória coletiva.

segunda-feira, 21 de dezembro de 2009

Rolê na São Bento.

Foto: Cassimano

Nada mais favorável: Sábado, encontro inesparado, sol e muita informação. Conversamos sábado dia 19/12 com Marcelinho, Rooney, Alam Beat, Eduardo Sô, Hélio e Claudio (VoVô), num encontro histórico na estação São Bento. Todos falaram muito, mas o ponto ápice da conversa se deu ao citarem o nome de JR Blow (Estilo Selvagem). Este deixou saudades, pois segundo citações era um dos maiores mc's do Brasil.
O encotro só foi possível por conta da Festa realizada por Fernando (Street Breakers), a Master Crew. Neste ano o primeiro dia foi na Galeria Olido. Além de conversarmos com os nomes citados, nos concederam entrevista:
Frank Ejara, Everaldo e Tj (Sampa Master's), Electro Break - Goiânia (que em 2009 completou 21 anos de existência, Pedrinho (Die Hardie Crew)e o clássico b.boy Chileno. Aos 51 anos de idade tem folego de menino para dançar e contar passagens lindas que viveu.


Abraço a todos

Olá Rapaziada como vai tudo bem?

Foto: Cassimano

O mc Jack está aqui também, desta vez acompanhado para conversar conosco.Junto a esta figura emblemática do Hip-Hop, estavam FishKadelic (Geração Rap) e Mister Mistério, dançarino das antigas e muito citado em conversas sobre a velha escola. Fish nos emocionou ao dizer que faz pouco tempo que parou na estação São Bento e ficou mais de meia hora olhando o vazio. Num tom saudosista jacta-se de ter presenciado maravilhas no local e como sua música diz: "bati na lata de lixo da Estação São Bento". Mistério nos contou sobre as rivalidades das Crew's "Tudo orbitava em torno da BackSpin, da Nação Zulu, Street Warriors e Crazy Crew".

domingo, 6 de dezembro de 2009

Funk e Cia.


Sexta-feira dia 4 de Dezembro de 2009. São Paulo a cidade da garoa fez jus ao bordão. Em meio a queda da temperatura e uma garoa que "rasgava a cara" nos encontramos com Raúl, antigo integrante do Funk e Cia.. Conversa rica em tudo, desde detalhes das primeiras rodas da 24 de maio aos primeiros contatos coma Mídia. Raúl, que hoje mora na Holanda, nos disse que Nelson Triunfo merecia uma homenagem de peso, como uma estátua na 24 de Maio. O encontro foi viabilizado pelo Dj Alam Beat do Sampa Crew,outra lenda viva do Hip-Hop.

terça-feira, 1 de dezembro de 2009

GOG

Simpatia singular, inteligência. Não nos falta adjetivos para um dos maiores poetas do Rap. Sábado dia 28/11 estivemos em Bangú no Rio de Janeiro no Clube do Soul. No local encontramos com Genival Oliveira Gonçalves (GOG), que conversou conosco e deixou suas impressões sobre a estação São Bento.
Abração GOG e a todos do Hip-Hop do Distrito Federal, cujo cenário tem genêse datada dos anos 80, concomitante a Sampa.

segunda-feira, 23 de novembro de 2009

Dia 22/11


Na data que dá título a esta postagem tivemos o prazer de comparecer a Batalha Final, evento organizado por Rooney Io Io. No local fomos em busca de novos depoimentos.
Começamos entrevistando B.boy Tcheba, que frizou a importância da Estação São Bento em sua vida. Em seguida batemos papo com PMC. Este contou sua chegada em Sampa -lembrado que PMC é mineiro de Juíz de Fora- e sua interação com o local. Esperamos poder contar com sua música na trilha sonora. Dj Alan Beat com todo seu carisma nos contou sobre a formação de algumas crews que protagonizaram a cena, junto estava o B.Boy Hélio atuante desde 1983.
Moleke Freak, ou Moleke de Itú como é carinhosamente chamado, não é somente b.boy, mas uma caixa de informações e nos emocionou com detalhes riquíssimos. Com tantos dados memorizados Moleke pretende nos próximos meses escrever um livro. Aguardamos anciosos!!!!
Momento mágico foi encontrar uma pessoa que deixou saudades para muitos quando foi embora do Brasil, ninguém esperava encontrá-lo; eis que vimos o B.Boy PEX (Cães de Rua) que deixou conosco seu registro. Junto com ele cnversamos com Dj Flip que veio do Ceará. Dj Alan também gravou e junto com André (Dinamc Leg's)falou dos tempos de Renegados.
No final do dia conversamos com os irmãos de talento inefável, Os Gêmeos. Muitos se emocionaram durante a entrevista.

Um dia maravilhoso que enrriqueceu nossas mentes e com certeza emocionará a todos.


Guilherme Botelho (Dj Guinho)

domingo, 15 de novembro de 2009

Dj Giba e Dj Kri

Foto: Cassimano.

Sábado dia 14 de novembro de 2009, tivemos o prazer de encontar um dos grupos de RAP pioneiros do hip-hop nacional. Falamos de nada mais, nada menos do que Região Abissal. Na verdade conversamos com os djs Giba e Kri; ambos deram uma aula sobre o início do Hip-hop em São Paulo. Fomos conhecer as localidades onde eram o Clube do Rap nos anos 80 e a antiga Madame Satã. Fechamos o dia com uma bela roda de bate papo na quadra da Escola de Samba Vai-Vai. Agradecemos a Paulo Brown que possibilitou o encontro. Confiram as Fotos no Final da página.

domingo, 1 de novembro de 2009

Lançamento

Arte: Cassimano

Estamos realizando ás últimas entrevistas. Prevemos o Lançamento para Novembro de 2010.

Resgate


Não se pode negar, qualquer pessoa que se diz envolvido diretamente ou indiretamente com a cultura Hip-Hop já ouviu falar do Metro São Bento. Localizado no centro e de uma das maiores metrópoles da América Latina e inaugurado no ano de 1975, por muito anos o seu mezanino foi ocupado por B.boys, poppers, Lockers, dj's, mc's, grafiteiros e curiosos que, de 1984 até a virada do milênio fizeram da Estação São Bento o principal ponto de encontro e uma grande central de troca de informações.
Quando falamos sobre registro histórico, não podemos deixar de lado o valor da memória. Tratando-se de Hip-Hop, naõ podemos afirmar que sua história se faz com poucos nomes, ainda mais sendo uma cultura multifacetada que prioriza a ação do sujeito tornando o indivíduo protagonista. Mais do que dar "nomes aos bois", como diz o ditado popular, nosso intuito é mostrar a pluralidade de vivências e experiências compartilhadas pelos sujeitos que dançaram, cantaram, desenharam e amaram no referido espaço. Caso você tenha sido um deles, entre em contato conosco o mais rápido possível e compartilhe sua experiência. O Hip-Hop agradeçe.

Guilherme Botelho (Dj Guinho)
Historiador

Obs: Foto de Cassimano. Agradecimento: Casa do Hip-Hop de Diadema.