Rodado entre os anos de 2007 a 2010, Nos Tempos da São Bento é um documentário que busca a memória coletiva do hip-hop. Um dos intuitos é resgatar a memória daqueles que fizeram a História do Hip-Hop, ocupando por vários anos o espaço do Metrô São Bento, no centro da cidade de São Paulo. Minuciosa, a estrutura discursiva nos leva ao conflito com o esquecimento; o ato social de se apagar fatos, pessoas e grupos da história. É justamente este conflito, apresentado através do exercício da narrativa, que se transforma em ação dramática, onde a personagem principal é a memória coletiva.

domingo, 21 de novembro de 2010

Estréia

Resultado de 3 anos de garimpo, Nos tempos da São Bento apresenta um novo olhar sobre a cultura Hip Hop. Sua essência está nas ruas e é justamente neste local que encontramos as personagens que compõem a estrutura discursiva do Filme. Realmente surpreendente.

sábado, 18 de setembro de 2010

Thaíde


Perguntamos a quem conhece....
...registrou-se o que foi dito.





Agradecemos a colaboração

Confiram as fotos

Foto: Mateus Subverso.

Sharyline


Na leveza e na doçura. Um sorriso amigo e no olhar a sinceridade. Um registro musical, não na forma literal, mas tão bem orquestrado que o depoimento oral ganhou força vital.





Agradecemos a colaboração

Foto: Dj Guinho

terça-feira, 3 de agosto de 2010

Na Baixada


Na cidade de Santos o que não falta são bons dançarinos. O hip-hop na baixada data da década de 80, concomitantemente a São Paulo, Belo Horizonte, Brasília e outras partes do Brasil. Nossa equipe desceu a serra e encontrou os lendários Red Crazy Crew e Black Cia.

Gato Magro, dj atuante até hoje, nos falou sobre os pontos de encontro da região e como organizavam as caravanas para irem a Estação São Bento.

"Nosso intuito era rachar com os caras de São Paulo"

Confiram as fotos ao lado

Foto: Dugueto Shabazz

Descontração


Residente da Rock Master Party, atuante desde 1983, simpatia inigualável, para quem não conhece vos apresento DJ Héliobranco.


"Não sinto saudades porque eu vivo a intensidade da São Bento até hoje"


Obs: Héliobranco é o responsável pela trilha sonora do documentário "Nos Tempos da São Bento".
Foto: Dj Guinho

Jackson - Estilo Selvagem

"Na época o improviso (free style) era conhecido como tagarela"

"Jr. Blown era o elo de ligação entre o hip-hop e outros artistas"

"Lembro de suas palavras: Não podemos mudar o mundo, também não podemos destrui-lo"

Jackson faz parte da banda Estilo Selvagem.

Foto: Dj Guinho.

quarta-feira, 14 de julho de 2010

Gema


"Cheguei lá pensando que era mais um, quando me deparei estava envolvido naquele universo"

"Tomavamos conta, assinamos documentos com o METRÔ, persistimos..."



Gema





Foto: Cassimano.

Dj KL Jay


"A gente vinha para se encontrar, trocar idéia; era como uma família né mano?"

"A Roosevelt foi legal, mas o pico era a São Bento, lá era o centro"

"Eu me sentia livre, Hip-Hop é uma cultura de liberdade"

Dj KL Jay

Foto: Cassimano.

domingo, 4 de julho de 2010

Ani (Nitro - Street Breaker's)


Lembrei-me de uma música cujo trecho dizia que Hip-Hop aprendi desde criança. Ani guarda com saudade as lembranças de quando seu irmão a levava, ainda criança, para a estação; praticamente cresceu com o Hip-Hop. Educação que vem de berço?



Foto: Cassimano.

Pepeu para você!


P de pato, P de pia, P de Pepeu... Palavras para a perenidade:

"Quando Cheguei lá na estação, foi a mesma sensação de colocar água na panela (...) vai ferver!!!".

quarta-feira, 23 de junho de 2010

Tom Lú

"Na época, nós desciamos do onibus em baixo do viaduto (Santa Efigênia) e subiamos a rampa da estação já com o rádio ligado...."

Palavras de Luzinho (Tom Lú) ao entrar na estação do METRO junto com nossa equipe.


Hoje relembra com gosto os tempos da São Bento e sempre com simpatia nos informou sobre seu mais novo Trabalho. Não mais dançando, mas sempre fortificando no Hip-Hop, Tom Lú em breve lançará um cd.
Aguardem!

terça-feira, 8 de junho de 2010

O Mito

Confesso aos navegantes que até conversar pessoalmente com ele pensava que era um mito. Mas não, com simplicidade e sinceridade fomos recebidos por João Break. Para quem não conhece este nome, saiba que foi o primeiro dançarino a ir para a São Bento. "Naquela época nós só queriamos dançar". Agora pode-se entender porque muito falaram que a década de 80 foi mágica.

Hip-Hop Angelical

Em meio ao universo masculino, um toque feminino para ilustrar o Hip-Hop. Kika foi uma das primeiras damas a dançar "Break" em São Paulo. "Havia poucas mulheres na época, tive que romper com preconceitos, mas os meninos do Hip-Hop estavam comigo..." Hoje faz parte do Pacificancion, um projeto musical que pretende resgatar a essencia da cultura de rua.

terça-feira, 11 de maio de 2010

Tem o Dom?

O desabafo de um lutador para que o mundo inteiro possa ouvir. Das primeiras passagens pela São Bento, a ida para a praça Roosevelt e de lá para a história. Tentaram reduzir nosso espaço (Rua), porque será que fazem isto? Nada adiantou o hip-hop só cresceu, e hoje a Alternativa está com voCê. Aperte o play, veja as fotos, tem o Dom?

Agredecemos ao Mc Dom pela colaboração.

domingo, 2 de maio de 2010

Sampa Crew

"Muito me inspirei na São Bento (...) na verdade ia para ver a dança, lá era o local dos dançarinos". São as palvras de Jc Sampa, que dispensa apresentações. De todas as recordações, falar de Jr Blow foi o mais emocionante. Sampa o conheceu na São Bento e quando recebeu a notícia, sentiu como um irmão.

Confiram as fotos do evento e da entrevista.

segunda-feira, 12 de abril de 2010

Na 24 de Maio, o antes!


Ao saber através de notícias
que haviam dançarinos na rua, Sérgio Rick foi conferir. Era a Rua 24 de Maio, onde as primeiras rodas de "Break" aconteceram, no início dos anos 80. Outro que nos conta esta história é o Billy, ex-dançarino da Funk e Cia.: "Nós não sabiamos do nome de nada, apenas que era uma dança robotizada e que se dançava nas ruas". O gesto de mimetizar a dança, deu início a chegada da cultura hip-hop em São Paulo. Muitos adolescentes passavam pela rua e ao observarem aquilo se encantavam, a identidade era imediata. A tendencia só cresceu, ainda mais depois da aparição do grupo Funk e Cia. na abertura da novela "Partido Alto", exibida pela TV Globo no anos 80. Um dos garotos na época, Kleber, conhecido como "Mister TV" conta que a polícia levava os meninos embora, caso não tivessem com documentos.Alguns estavam trabalhando de Ofice-boy e peridam a hora ali. Todos lembraram que havia poucos bailes e festas que se podia abrir uma roda e dançar. Já Carlinhos Kaskatas, diz ter sido o primeiro organizador de festas a abrir espaço para os dançarinos. Mesmo assim o local de ação era a rua e a 24 de Maio antecede a São Bento.

quinta-feira, 18 de março de 2010

Não Precisa Fugir Garoto

Apenas cante uma canção sem ver o mundo lá fora. Recado dado conversamos com os integrantes do Código 13. Já haviamos entrevistado o MC D, qual agradecemos por organizar novo encontro com o grupo todo. Desta vez registramos, também, Kouryac e Def Kid. De forma descontraida em uma esquina na Zona Leste de São Paulo os três falaram sobre como surgiu a idéia de gravar o disco Hip-Hop Cultura de Rua, os primeiros Shows e sobre a magia dos anos 80. "É Importante frizar (sobre o Hip Hop Cultua de Rua) que foram buscar a idéia na São Bento, mas a realização veio de fora" disse MC D. A São Bento foi um espaço que abriu portas.

domingo, 28 de fevereiro de 2010

Vocês São B.Boys?


Desta forma Marcelinho Back Spin se dirigiu aos então adolescentes dançarinos da "BREAK ROCKER'S". Daquele dia em diante o estilo mudou e a frequencia na estação se tornou uma constante. Conversamos com Roger e André num sábado de sol no parque do Ibirapuera, ambos comentaram sobre o Festival de 1993 e contaram inúmeras passagens que vivenciaram na São Bento, incluindo a supracitada. A maior saudade é dos amigos, finalizou André.

O Código é 13

Considerado um dos primeiros grupos de RAP do Brasil, seus artistas sairam da Estação São Bento. Quem nos conta esta história é o MC D (Douglas) antigo integrante do CÓDIGO 13. Muitas gargalhadas com as histórias por ele contada, a cada foto visualizada uma viajem no túnel do tempo. No mesmo dia conversamos com Ailtom, grafiteiro atuante até os dias de hoje que falou sobre as roupas pintadas que faziam o estilo da década de 80.

terça-feira, 16 de fevereiro de 2010

BreakMania

Dj Residente do Master Crew, uma das maiores festas de Hip-Hop do Brasil, converasmos com Dj Alan. Já é a segunda vez que conversamos com ele, só que desta vez estivemos em sua casa. Muita informação e muita simpatia. Gostariamos de agradecer pelo arquivo em fotos e vídeos que o Dj concedeu para a equipe deste documentário.

No Cambuci

Choveu muito e em meio a tanta água avistamos um grafite dos Gêmeos na caixa d'agua de um prédio. Mas nossa intenção não era fotografar os grafites (não desta vez) e sim encotrar duas pessoas: Biro e Mancão. O primeiro foi dançarino da RED CRAZY CREW de Santos e, apesar de não dançar mais, em uma breve demonstração notamos sua agilidade. O segundo dispensa apresentações; Mancão é um dos nomes mais citados quando o assunto é velha escola. A tarde toda relebraram fatos e com um album de fotos em mãos os assuntos fluiram de forma agradável. Em uma das passagens pelas ruas do bairro tivemos o prazer de encontrar os Gêmeos. O que já estava bom, ficou ainda melhor.

segunda-feira, 15 de fevereiro de 2010

Break Não É Só Rolar No Chão

Break é transmitir emoção, tal que Mc Fio se emocinou ao lembrar um dos maiores sucessos de sua carreira: "Break é Emoção". Nos anos 90 a música do Grupo de Rap União Break Rap estava na rádio e Mc Fio não deixava da dar um pulo na São Bento e correr com os dançarinos, principalmente em um momento onde poucos faziam músicas para os dançarinos. Em seu escritório, localizado na zona leste, ficamos uma tarde inteira ouvindo as mais variadas recordações. Confira Album de Fotos.

sábado, 6 de fevereiro de 2010

Nação Zulu

Em clima de nostalgia conversamos com a Lendária Nação Zulu. Dj Zulu abriu as portas de sua casa,onde ficamos por mais de cinco horas proseando e revendo fotos. A Nação Zulu é uma das Crew's de referência quando o assunto é São Bento. Agradecemos ao Kase que nos cedeu diversas imagens para compor o documentário.

Confira mais fotos ao lado.

quarta-feira, 27 de janeiro de 2010

A Força Fantástica do "Bronk's"

Diretamente de Guarulhos a Fantastic Force é uma das Crews de mais longa data em São Paulo. Estão em cena desde o início dos anos 80, no péríodo em que pediam duarante a semana para o tempo correr, pois assim chegaria o sábado, momento de rever os amigos e dançar. Um destes amigos era o MT Bronk's, mc da velha escola. Quem lhe deu o nome artístico foi o JR.Blown, segundo Bronk's uma das mentes mais brilhantes que o Hip-Hop já teve.

domingo, 17 de janeiro de 2010

Vida em outro Planeta

Fez muito calor em Belo Horizonte na tarde do dia 16 de Janeiro de 2010. Cidade linda, grafites para todos os lados.Em uma destas paisagens paramos e dissemos: aqui a foto fica legal. Saquei minha filmadora e ele falou. Dj Roger Dee da lendária Break Crazy há vinte e três anos atrás, ele e sua crew, foram para São Paulo atrás de hip-hop. Ná época se acreditava não mais existir "Break", pois a moda havia passado. Quando se depararam com a São Bento foi como descobrir vida em outro planeta. No metrô se dançava, Belo Horizonte não era única a ter b.boys!!!!

segunda-feira, 11 de janeiro de 2010

Tik Tak


O tempo foi passando e quase esquecemos de ir embora da casa do Smokey D. Dia 10 de Janeiro fez Sol no lado leste de São Paulo e entrevistamos os integrantes do Doctor's Mc's (Smokey D e Mc A). Destacamos a importância das falas sobre o JR. Blow que emocionou a todos que acompanhavam a entrevista.

Kokada

Foto: Cassimano

Mister Kokada, são apenas dezesseis anos de dança. Sua carreira começa na Estação São Bento em meados dos anos 90. Hoje roda por diversas partes do globo mostrando seu trabalho. Confiram as fotos da entrevista que teve pontos importantes, como a questão dos "pé-de barro".

sexta-feira, 8 de janeiro de 2010

No Jabaquara

Conversa Franca e sincera. Assim resumo a entrevista concedida a esta equipe pelo pessoal do Jabaquara Breaker's. Uma das equipes mais tradicionais de São Paulo muito falou sobre a São Bento, porém o que marcou foi o rolê que demos e as outras inúmeras mil histórias que ouvimos. Agradecemos ao Tripa, membro da equipe, que nos disponibilizou um rico e farto material.
Obs: Moisés garantiu que em 2010 eles estão de volta!!!